segunda-feira, 1 de julho de 2013

Mercado de imóveis está aquecido em Santos

Atendendo a uma solicitação do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP), a empresa de assessoria econômica Robert Michel Zarif fez um levantamento sobre o mercado de imóveis na Baixada Santista (Guarujá, Praia Grande, Santos e São Vicente). O estudo registrou o lançamento de 20.542 novas unidades residenciais entre fevereiro de 2007 e abril de 2011. A movimentação nas imobiliárias em Santos, a principal cidade do litoral paulista, indica que esse número continua a avançar.

O principal motivo de tal crescimento é a descoberta de petróleo abaixo da camada do pré-sal na Bacia de Santos, ocorrida em 2007. Para se ter ideia do impacto desse evento, somente a Petrobrás, que é responsável pela exploração do petróleo na região, já capacitou mais de 88 mil profissionais que atuarão na cidade. Parte desse contingente será abrigado pela própria empresa, que por isso iniciou a construção de três torres comerciais, cuja conclusão está prevista para 2017.

Sem grandes áreas disponíveis para a implantação de novos imóveis, a verticalização se tornou a melhor saída. E há opções para todos os gostos e bolsos. Segundo o diretor geral do Secovi-SP na Baixada Santista, Renato Monteiro, o crescimento imobiliário na região engloba desde habitações populares até edifícios comerciais com elevado nível de sofisticação, onde têm se instalado grandes empresas. O aquecimento do setor também trouxe valorização. “No último triênio, o preço do metro quadrado chegou a dobrar na cidade de Santos”, informa o dirigente.

A diversidade citada por Monteiro também é confirmada pelas estatísticas das buscas de imóveis. De acordo com dados do Portal VivaReal, que recebe cerca de 30 mil acessos por mês originados em Santos, a maior procura em relação ao tamanho é por imóveis de dois dormitórios (42%). As unidades com um dormitório vem em seguida, com 34% das consultas, e logo depois estão os de três dormitórios (21%). Em relação aos preços, os imóveis até R$ 150 mil representam a maior parte das buscas (46%). As opções na faixa de R$ 150 mil a R$ 300 mil correspondem a 34% e as que estão entre R$ 300 mil e R$ 500 mil representam 12%.

Todas essas consultas mostram como a tecnologia tem contribuído com o mercado imobiliário. Mais ainda com a multiplicação do uso de dispositivos móveis. Para se ter ideia, 8,7% das 30 mil consultas em Santos foram feitas por meio de plataformas móveis. Destas, 55% partiram de Ipads e 15% de Iphones.

2 comentários:

Anônimo disse...

"Parte desse contingente será abrigado pela própria empresa, que por isso iniciou a construção de três torres residenciais, cuja conclusão está prevista para 2017." Por favor, sou corretora de imóveis e não tenho conhecimento dessas três torres residênciais sendo construidas pela própria Petrobrás, onde fica essas três torres? Sabemos que as torres sendo construidas são comerciais.

Web Estrategica disse...

"Prezada leitora, antes de qualquer coisa, muito obrigado por acompanhar nossas notícias e pelo olhar atento. De fato, houve uma falha na apuração das informações e as torres a que nos referimos são mesmo comerciais. Graças a sua contribuição, já corrigimos o texto. Muito obrigado!"

Postar um comentário

Deixe seu Melhor comentário aqui...