sexta-feira, 27 de abril de 2012

Projeto de revitalização do Porto Valongo Santos


Todos os detalhes do projeto de revitalização 'Porto Valongo Santos' foram apresentados na manhã desta sexta-feira (27), na Prefeitura, pela empresa que realizou os estudos de viabilidade técnica, econômica, social e ambiental da iniciativa.

Com potencial para gerar 1.200 empregos diretos, o 'Porto Valongo' vai ocupar a área degradada entre os armazéns 1 e 8, sem uso há décadas, com atividades náuticas, turísticas, empresariais e culturais. O projeto é fruto de um convênio assinado em 2008 entre a Prefeitura e a Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo), tendo como interveniente a SEP (Secretaria Especial de Portos) da Presidência da República.

Na ocasião, foi criado um grupo de trabalho participativo, composto por representantes do município e da autoridade portuária, sob coordenação da SEP, que apontou para a necessidade dos estudos a serem apresentados. A Prefeitura contratou então, por meio de uma licitação internacional a empresa especializada Ove Arup & Partners, que apresentou o plano de ocupação, com todas as edificações e intervenções em terra e no mar, e as propostas de acessibilidade a todos os empreendimento.

Sustentabilidade, integração da infraestrutura, planejamento global e soluções articuladas aos anseios da comunidade local foram avaliados. O projeto aponta alterações no sistema viário da área e entorno, que incluem a construção de passagem subterrânea para tráfego de caminhões no traçado da Avenida Perimetral, o chamado 'mergulhão', obra que está sendo licitada pelo governo federal, via Codesp.

O projeto prevê um terminal de cruzeiros, marina pública, bases oceanográficas da USP (Universidade de São Paulo) e da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), além de hotéis, restaurantes, lojas, escritórios e o Museu Marítimo do Porto. A proposta complementa as ações do Alegra Centro (Programa Municipal de Revitalização e Desenvolvimento da Área Urbana Central), cujo sucesso já serve de exemplo para outras cidades do país.

Os próximos passos do Grupo de Trabalho incluem o envio dos estudos para a Antaq, contato com demais autoridades envolvidas, debates públicos, licenciamentos, termos de referência para o processo licitatório; e abertura das licitações.


Dados gerais:

-Geração de empregos: 1.200 diretos permanentes e 200 temporários (durante a construção).
-Área da superfície em terra: 48.500 m².
-Área da superfície no mar: 155 mil m².
-Superfície a ser edificada: 48 mil m².
-Superfície total da área construída: 140 mil m².
-Investimentos da iniciativa privada: R$ 554.133 milhões, sendo R$ 177.954 milhões de infraestrutura e R$ 362.525 de edificações.
-Retornos indiretos: Aumento do valor agregado na área do Centro Histórico e da captação de impostos gerados pelos usos comerciais do projeto (ICMS/ ISS).



Atividades previstas:

-Terminal de cruzeiros: estimado para três navios e aproximadamente 12 mil passageiros.
-Zona de marina: área de construção aproximada em 600 m² e 195 pontos de atracação para embarcações de 10, 15 e 25m, inclusive vagas para megas iates. Terá três pontos de embarcação: para autoridades do sistema portuário (Polícia Federal, Alfândega, Guarda Portuária); para instalações, edificações e embarcações de apoio ao aeroporto civil e para a Base Aérea; e outro local para o transporte público de passageiros.
-Centro de negócios, escritórios e hotéis: 106 mil m².
-Bares, restaurantes e galerias de arte: 7.500 m².
-Instituto Oceanográfico da USP e Instituto de Ciências do Mar da Unifesp: 3.500 m² de área construída.
-Museu portuário e Hotel Boutique: 10.900 m².
-Espaços para contemplação: 20 mil m² de área verde e de lazer. O projeto prevê ainda uma passarela de 12.500 m².
- Área p/ informações turísticas/espaço para feiras e eventos: 8 mil m².

1 comentários:

Anônimo disse...

Concurso publico de projeto já!!!
Projeto Mediocre!!!

Postar um comentário

Deixe seu Melhor comentário aqui...