quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Bandas de Santos: CHARLIE BROWN JR


Formada em Santos no ano de 1992. Segue a linha hardcore com influências do punk rock californiano, e mistura vários ritmos como o reggae, o hip hop, criando um estilo próprio. Suas letras fazem críticas à sociedade da perspectiva do universo jovem contemporâneo. Todos os membros da banda são naturais da cidade de Santos, exceto o vocalista Chorão, que nasceu em São Paulo.

FORMAÇÃO ATUAL:
Chorão
Vocalista, está na banda desde 1992, o apelido de Chorão, que na verdade se chama Alexandre Magno Abrão, vem do skate. Certo dia, ele viu os amigos andando de skate, e um deles passou por ele e, para sacaneá-lo, dizia "não chora!", já que Chorão ainda não sabia andar. Após ter aprendido o esporte, o vocalista participou de várias competições, chegando ao vice-campeonato paulista, e acabou ficando com o apelido.


Thiago Castanho
Guitarrista, Thiago Castanho entrou no Charlie Brown Jr., em 1994 e, depois de tocar nos três primeiros discos, se desligou da banda em 2001. Antes de voltar e assumir definitivamente as guitarras do Charlie Brown Jr. no ano de 2005, Thiago montou o estúdio Digital Grooves em Santos, SP, cursou administração de empresas durante seis meses e gravou um Acústico MTV com a banda Ira!. Thiago também fez parte da banda Aliados.



Heitor Gomes
Baixista, Heitor Gomes é filho do contra-baixista brasileiro Chico Gomes. Heitor sempre teve o incentivo de seu pai para tocar, e apesar de ser um dos integrantes mais novos do Charlie Brown Jr., tendo entrado na banda em 2005, tem experiência musical de longa data.


Bruno Graveto
Baterista, entrou na banda no ano de 2008, toca desde os 12 anos. Antes de entrar no Charlie Brown Jr. tocava em outras bandas; Pipeline e O Surto. Tocou também com o Baixista do Charlie Brown, Heitor Gomes em uma banda chamada Fusion.




COMEÇO DE CARREIRA:
Em 1987, o então adolescente paulistano de 17 anos de idade Alexandre Magno (Chorão) mudou para Santos, passou a se interessar pela prática do skate. Um dia, em um bar local, substituiu por acaso o vocalista de uma banda, quando o mesmo precisou se ausentar devido a necessidades fisiológicas. Uma pessoa da plateia, ao vê-lo cantar, convidou-o para ser vocalista em sua banda. Quando o baixista da referida banda saiu, Chorão veio a conhecer Champignon, o novo baixista, uma criança de apenas 12 anos na época, formaram então a banda What's Up. Tempos depois, Chorão e Champignon decidiram convidar o baterista Renato Pelado, egresso de bandas da cidade como Ecossistema, Jornal do Brasil, entre outros projetos. Mais tarde, Marcão e Thiago Castanho completaram a primeira formação da banda Charlie Brown Jr.
A banda, ainda sem nome, continuou a se apresentar na cidade. "Fundei e batizei a banda com esse nome em 92. Foi uma coisa inusitada. Trombei (literalmente) com uma barraca de água de coco que tinha o desenho do Charlie Brown, aquele personagem do Charles Schulz, mais conhecido por ser o dono do Snoopy. E o "Jr" é pelo fato de sermos filhos do rock", se explica Chorão pelo fato de a banda se considerar "filha" de uma geração de músicos e bandas como Raimundos, Nirvana, Red Hot Chili Peppers, Nação Zumbi, e Planet Hemp. A sonoridade do grupo tinha influências de grupos como Sublime, Bad Brains, 311, misturando hardcore, skate e reggae. O vocalista da banda, Chorão, é skatista, chegando a figurar nas melhores posições do ranking de diversos campeonatos brasileiros, e costuma apresentar-se nos shows em cima de um skate. Por volta de 1993, já com esta formação da banda, eles começaram a tocar no circuito underground de Santos e São Paulo e a fazer shows em vários eventos de skate. As primeiras apresentações do quinteto aconteceram em Santos e São Paulo, especialmente em campeonatos de skate.
Uma fita demo foi entregue a Rick Bonadio, presidente da Virgin Records no Brasil e produtor dos Mamonas Assassinas, que se interessou pelo grupo e os contratou. De uma demo de três faixas surge o primeiro disco do CBJr, produzido por Tadeu Patolla e Rick Bonadio com o selo da Virgin. Nasce então o álbum Transpiração Contínua Prolongada, tem esse nome por realmente retratar tudo que a galera passou para chegar onde chegaram. O álbum foi produzido por Tadeu Patola (ex-Lagoa 66), o álbum é bem recebido pelas rádios com as faixas "O Coro Vai Comê!", "Proibida pra Mim (Grazon)", "Tudo que Ela Gosta de Escutar" e "Gimme o Anel", vendendo 500 mil cópias. Na época, o baixista Champignon era menor de idade. Consequentemente, sempre que a banda se apresentava em casas noturnas, era necessária uma autorização judicial para que o jovem baixista acompanhasse o grupo.

REPERCUSSÃO COMERCIAL
De 1999 a 2006, a canção "Te Levar" foi tema do seriado Malhação, da Rede Globo, fazendo com que a banda abrangesse seu trabalho às mais diferentes classes sociais. Com sua propagação na mídia, a banda ganhou vários prêmios e chegou assim, por várias vezes, ao topo de grandes rádios espalhadas pelo país. Em 1999, após a estreia promissora, o grupo voltou com Preço Curto... Prazo Longo, composto por 25 canções inéditas, entre elas "Confisco", "Zóio de Lula", "Te Levar", "O Preço" e "Não Deixe o Mar te Engolir", que sedimentaram a boa recepção da banda e garantiram sua presença nas rádios.


PRÊMIOS

VMB
1998 - Banda Revelação: "Proibida pra Mim"
2001 - Escolha da Audiência: "Rubão, o Dono do Mundo"
2001 - Melhor Videoclipe de Rock: "Rubão, o Dono do Mundo"
2003 - Escolha da Audiência: "Papo Reto (Prazer É Sexo, o Resto É Negócio)"
2003 - Melhor Videoclipe de Rock: "Só por Uma Noite"Grammy Latino
2005 - Melhor Álbum de Rock Brasileiro: "Tâmo aí na atividade" Multishow
2007 - Melhor Canção: "Senhor do Tempo"
2008 - Melhor Videoclipe: "Pontes Indestrutíveis"